cultura

Noticias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
Prev Next

Exposição “O meu lado feminino”

Exposição “O meu lado feminino”

A exposição temporária “o meu lado feminino”, inaugurada no dia 7 de Março de 2020, conta com a participação de mais de 100 artistas nacionais e internacionais com obras de pintura, escultura, fotografia, joalharia, arte bruta, arte popular e escrita poética. Ao todo, contam-se mais de 200 obras expostas nas 3 salas de exposição temporária da Fundação e também o espaço de exposição permanente acolhe...

Read more

!ARTE vs VÍRUS! Desconfinamento pela Criatividade

A Arte e a Cultura não param e reinventam-se. Esta exposição virtual foi idealizada e executada digitalmente, tendo em conta as bases conceptuais do tempo que vivemos, marcado pela crise pandémica.  O dinamismo criado com este projeto permitiu que se estabelecesse um fluxo de arte, quer entre criadores (artistas) como com os demais observadores (público geral). A exposição teve o seu inicio nas redes sociais...

Read more

A ARTE NÃO ENTRA EM QUARENTENA

A ARTE NÃO ENTRA EM QUARENTENA

Exposição virtual de obras de arte criadas durante o periodo de "quarentena" e onde estão representados os artistas: A. Fe, Aparício Farinha, Arménio Diniz, Aurora Bernardo, Dalia Santos, Daniela Alegria, Lopes de Sousa, Maria José Ferreira, Margarida Guerra, Pedro d'Oliveira, Rosina Gaudio, Zita Santos A exposição pode ser visitada em: https://www.artsteps.com/view/5eaaeebb16533f6fd0faa2b9

Read more

Museum Art Concert

Museum Art Concert

Museum.Art.Concert A Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro convidam-no para o evento do próximo dia 30 de Novembro de 2019, pelas 16:00, com o seguinte programa:Programa16:00 | Entrega dos Prémios Escolares Dona Alice e Dionísio Pinheiro 2018/2019 aos alunos das Escolas Secundárias Marques de Castilho e Adolfo Portela17:00 | Inauguração das obras em exposição permanente dos Mestres Cruzeiro Seixas e Martins LhanoApresentação da 1ª Colecção Art.Museum.T-shirt por Cláudia PereiraVisita às exposições temporárias:             ...

Read more

Vasos Gregos e Pintura de Tema Clássico

Vasos Gregos e Pintura de Tema Clássico

Obras da colecção permanente do Museu; dos séculos IV a.C., XVI, XVII e XIX.Autoria de Carlos A. Martins de Jesus e J.M. Vieira Duque (Conservador do Museu); prefácio da Professora Doutora Maria Helena da Rocha Pereira; acompanhamento científico do Professor Doutor José Ribeiro Ferreira; edição Imprensa da Universidade de Coimbra.

Read more

Obras do Museu no Art Project da Google

Obras do Museu no Art Project da Google

É com muito orgulho que anunciamos que grande parte das obras do nosso Museu fazem parte do "Art Project" da Google. O "Art Project" é uma galeria virtual que agrga as melhores obras, dos melhores Museus de todo o Mundo, é uma honra e um prestígio muito grande fazermos parte deste projecto.Poderão consultar o nosso espaço no "Art Project" aqui! Esta plataforma do Art Project...

Read more

Assembleia Geral Ordinária dos Amigos da Fundação

Assembleia Geral Ordinária dos Amigos da Fundação

Tendo em consideração o disposto no Art. 33o, alínea c.) dos Estatutos, convoco os Amigos da Fundação para a Assembleia Geral Ordinária, a realizar na sede da Fundação, no próximo dia 25 de Novembro de 2017 ás 14:30, com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Abertura da sessão, leitura da convocatória; 2. Expediente da mesa de Assembleia Geral;3. Leitura e aprovação da Acta da Assembleia Geral...

Read more

Sarau para entrega dos Prémios Anuais da Fundação

Sarau para entrega dos Prémios Anuais da Fundação

Programa 16:00 Entrega dos prémios escolares anuais Dona Alice Cardoso Pinheiro e Dionisio Pinheiro, aos melhores alunos das Escolas Secundárias Marques de Castilho e Adolfo Portela.16:45 Entrega do PRÉMIO ARTISTICO MATEUS A. ARAÚJO DOS ANJOS/2017, atribuído ao artista Antonino Neves.17:00 Concerto de final de ano pelo pianista Bernardo Santos (programa igual ao recital que irá interpretar no Liceu Camões, Lisboa, com transmissão em direto para a...

Read more
 Mais Noticias >> Consulte o nosso arquivo de Noticias.

Apresentação

Article Index
Apresentação
Pag.2
Pag.3
All Pages
There are no translations available.

Começo por cumprimentá-los a todos em nome da Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro.

É impossível ignorar que entre a produção artística de uma determinada época e a situação social, cultural, religiosa, económica e política estão sempre presente relações de íntima cumplicidade levando, no estudo da história de arte, a uma obrigatória abordagem e conhecimento do meio social em que surge, na respectiva contemporaneidade. Então, a arte e o seu reflexo presente e futuro são um produto do diálogo entre ela e o ente social e o respectivo poder, sem determinismos últimos ou um condicionalismo fatal, extraindo-lhe qualquer autonomia imaginativa.

Sala 2 do Museu Dionisio PinheiroNo Museu, o objecto não perde as funções anteriores, antes ganha a capacidade de representar, contando uma história.

O objecto museológico pode ser transformado pela acção da humanidade e da natureza, que lhe conferirá novos atributos estéticos e de funcionalidade.

São estas metamorfoses que se operam neste Museu. Mutações do objecto. Um crucifixo manterá o valor de culto, no entanto, ganha o valor de exposição. Permitindo, assim, o estudo entre a humanidade e a realidade.

Sendo assim, os objectos comunicam, tal como outro bem cultural ou natural, estabelecendo relações díspares por entre o público que o admira, o examina, o ama, o deseja, o cultiva, o ignora. Igual à música do Cartola, as rosas não falam, mas roubam o perfume da mulher amada.


Daí, é essencial uma extraordinária delicadeza ao manusear os objectos, mas sem nos condenarmos ao campo do conhecimento mediático, mas elevando a nossa acção museológica ao campo da mediação da linguagem das coisas.

Porque o objecto é também facto social, memória. Imagem e reflexo. Pertença de um património alegórico porque não tem valor intrínseco, porque não é apenas material.

O nosso Património é um conjunto vasto de bens tangíveis e intangíveis, herdados, preservados, conservados e expostos, fazendo jus à qualidade de vida, cuja função ‘rememorativa’, como matriz de identidade, servindo de instrumento para o desenvolvimento e suporte social.

11Uma noção que assenta nas pessoas e no que uma dada geração considera dever ser deixado para o futuro. Como nos lembra Georges Duby, “não é estático. Move-se com o próprio movimento de Deus. Toda a experiência espiritual se vive como um avanço, como um progresso, que a música e a liturgia ao mesmo tempo acompanham e guiam, e que a arquitectura, a escultura, a pintura, embora por natureza imóveis, têm também por missão traduzir. Na verdade, este movimento é duplo. Por um lado, é circular. Os ritmos cósmicos, os percursos dos astros, o caminhar do dia e das estações, todos os crescimentos biológicos se ordenam em ciclos, e estes retornos periódicos devem ser interpretados como um dos sinais da eternidade.”

A vida dos objectos implica a experiência ininterrupta do tempo cósmico, permitindo os seus movimentos circulares, evitando qualquer acidente susceptível de os perturbar, a comunidade alcança desde logo a eternidade, testemunho de memórias, contextos de humanidade e de divindade.


Como Técnico de Conservação e Restauro e Museólogo, objectivo neste Museu uma abordagem museológica que se debruce sobre todas as questões que referi anteriormente, sempre consciente da contemporaneidade do espaço Museu e do seu lugar na sociedade contemporânea, devido tão-só, ao facto da Museologia ter reafirmado nas últimas décadas o seu valor de referência e de síntese, capaz de transformar e de oferecer modelos alternativos adequados para assinalar, caracterizar e transmitir os valores e os signos dos tempos, resgatando para o conceito de Museu o poder enquanto instituição de referência para a sociedade global, no respeito pelas diferenças e promovendo a pluralidade, segundo um diálogo de tolerância, compreensão e absorção. O outro como uma continuação do Eu e do Nós. Valores de urbanidade.

Concluindo, convido-vos a visitar este nosso Museu e a conhecer a Fundação!

Um Museu como um romance, onde os objectos são narradores e funcionam como agentes activos de memória de um qualquer quotidiano.

A linguagem museológica, a par dos textos literários, tem ritmo específico, gramática própria, sintaxe e lógica, coordenando assim a articulação entre os diversos elementos do espaço das exposições: conexão de referências várias, resultando numa lógica latente no texto expográfico que se pretende construir.

Assim, o lúdico, o pedagógico, o cultural, o social, o colectivo e o individual conjugam-se num único verbo e num único espaço: musealizar e museu.

O “sentido da vida” constitui, com toda a certeza, o eixo orgânico e vital da vida de um museu.

Poderemos dizer que o Museu viverá da eterna luta do ser humano, no cumprir de um destino feito na constante dialéctica entre o entrelaçar de fios com que se integra e o desatar de nós com que se liberta. Isto é, através do Museu, o homem cumpre o seu destino de ser errante, num constante vai e vem entre o ‘Eu’ e o ‘Nós’, o parcial e o total, o imanente e o transcendente, o horrível e o belo, entre as amarras e a libertação, uma viagem de vai e vem, onde aqui e ali tropeça na realidade e mais além se agarra à fantasia, uma viagem cujo farol é o sonho e fim último, a plenitude. Daí, que o Museu seja necessário para que o homem se torne capaz de conhecer, mas, sobretudo, mudar o mundo.

Sejam bem-vindos!